quinta-feira, fevereiro 07, 2008

...

De novo, ando vivendo numa montanha russa de sentimentos. Como sempre digo... estar perto da família não tem preço! Todos aqueles minutos de angustia numa espera que às vezes parece interminável, se transformam numa realidade um pouco difícil de acreditar. Cheguei... estou aqui!

Tem gente que pode e viaja com freqüência para o Brasil. Não é o meu caso. Acontece uma vez ao ano e olhe lá. E ainda me sinto uma das privilegiadas... tenho amigas que não vão ao Brasil por anos a fio... e por isso nem posso imaginar o coração destas...apertadinhos de saudade.

Como vocês sabem, esta viagem não era planejada. O que esperávamos era uma visita, de meus pais, em Março. Mas nem sempre as coisas acontecem como planejamos. Essa doença está maltratando muito o meu pai...e é por isso que nem falo muito sobre o assunto, pois machuca apenas a lembrança do que está acontecendo. Mas mesmo assim, nos deparamos com uma realidade que não podemos fugir, e não nos sobra alternativa à não ser enfrentá-la.

Nesse momento pensamos muito. Recordamos todos aqueles emails que recebemos que nos lembra o quão importante é sempre dizermos as pessoas que amamos o quanto são importantes para nós. E mesmo que com freqüência me questione se não deixo de expressar o que sinto a quem gosto, ainda assim fica aquele sentimento de se o que faço é o suficiente. Não sei se saberei... talvez no futuro. Quem sabe com certeza?

Mais do que isso... vêm à cabeça milhões de perguntas, talvez numa busca para explicar o que não se pode. Será que vale a pena morar longe? Até que ponto o meu sonho me faz realmente feliz? Vai saber. No fundo sabemos que nem aqui, ali ou acolá, existe a fórmula perfeita da felicidade. Apenas uma oportunidade melhor, dependendo do que cada um considera ser mais importante buscar na vida.

De uma coisa eu sei. É quando moramos bem longe que contabilizamos o que distância realmente significa.

A maioria de nós despreza o estar perto, como que não tendo realmente importância. “O fulano de tal, que eu gosto muito, mora logo ali. Uma hora dessas vou visitá-lo.” E nessa história passam-se dias, semanas, anos. Quem já não fez isso? Eu já. Nem uma, nem duas...várias vezes. Morava em São Caetano e meus pais em Minas... e vinha vê-los apenas 2 ou 3 vezes ao ano. Estava sempre ocupada demais, ou cansada demais, ou... arrumando uma desculpinha extra. Meus parentes...tios e primos, que moram ali em São Bernardo, ou logo alí em São Paulo. Quantos anos passei sem os ver. E daí que eles não vinham me ver?! Porque não tomei a iniciativa? E agora...conto os minutos...porque não sei quando terei outra oportunidade.

Mas enfim...estou feliz em estar aqui. Aprendendo com o passado, para melhorar o agora, e não me arrepender no futuro.

É por isso que de novo...pense um pouco. Faz de conta que esse é mais um daqueles emails...que parece chato demais pra você ler inteiro. Mas que no fundo, você sabe que tem toda a razão. É só difícil admitir. Mas vá lá...visite quem você ama. Deixe aquela desculpa pra lá...encontre um tempinho. Ou, se for longe, esqueça o email e escreva uma carta...a mão. Da forma como fazíamos antigamente...e que hoje, lá no fundinho, você espera que um dia receba de novo de alguém que você tem saudades.

Vai por mim...vai te fazer um bem danado!

10 comentários:

Sonho Meu disse...

Oi Cyntia,
Bom saber que vc voltou ao blog.
Os americanos tem uma mania que até pouco achava bobo...é a mania de falar "I love You" quando se despedem dos filhos, do pai, do marido pra irem trabalhar, ou as vezes até por uma horinha ou outra de ausencia. Eles usam muito essa frase "I love You". Até a pouco achava que eles faziam de uma forma automatica...mas agora eu concordo com eles...a vida é muito fragil, curta e a gente deve falar I love you sempre, sempre, a toda hora a todo minuto. É mesmo pra pessoa ter a certeza e a conviccao de que é amada.
bjos e melhora pra seu pai.
me

Ana Paula Soldi disse...

Oi Cyn tudo bem? ainda nao me encontrei com a Ju vou ver ela segunda, mais pode deixar que dou seu recado ;)
Com relaçao ao post você tem toda a razao do mundo, é assim mesmo, a gente vai deixando as coisas passarem pensando que ainda vai ter tempo pra fazer depois, adiando sempre achando que nao tem tanta pressa... Mais só Deus sabe...
Mesmo eu morando tao perto, sao só 2 mil kilometros, nao dá pra viajar muito nao, bem que eu queria, se fosse por mim todo o final de semana, mais viajo 1 vez por ano também.
Tomara que eu possa mudar isso e estar mais perto da minha família.
Te desejo tudo de bom, muiiiiitas felicidades e que seu pai melhore rapidinho.
Um abraço forte

Ingrid de Oliveira disse...

Lindo seu post. Realmente temos que valorizar as pessoas queridas e dizer o quanto as amamos.
Sei que a fase que vcs estão passando não é fácil, meu avozinho passou por isso também, é bem complicado.
Mas, querida, vc está em minhas orações. Tenho certeza que Deus está olhando pelo seu paizinho e que tudo dará certo.
Nada na vida é por acaso...
Fica bem e curta esse momento perto de sua família...
Beijos!

Maria Christina disse...

Ei, Cynthia.
Que bom que vc esta de volta. Sei que morar longe de quem amamos nao e nada facil. Ficamos sempre sentindo um vazio dentro de nos. Nunca vamos estar felizes por completo. Ate porque, felicidade por completo nao existe. Existe sim momentos de felicidade. Sinto muita falta dos meus pais, irmas e amigos. Gostaria de estar la, participando das conversas, rindo etc. Mas viver nos EUA foi uma escolha de vida. Sofro muito e me questiono bastante se fiz a escolha certa. Ainda nao sei. A vida foi feita de escolhas. O tempo todo estamos optando por isso ou aquilo. E sempre iremos perder algo em decorrencia dessas escolhas. No meu caso, diminuo a saudade conversando com minha familia quase todos os dias. Nao e a mesma coisa mas ajuda muito.
Cynthia, espero que o seu pai se recupere logo. Se fortaleca e venha aqui te visitar. conhecer mais um pouco da sua vida, do seu mundo. E curtir a netinha. Que Deus lhe de a cura.
Continuo pensando muito em vc e na sua familia.

Forca.
Beijos e ate outro dia.
Christina

Cheers! Fla disse...

Oi Cyn, tudo bem? Estou aqui engasgada com seu post. Obrigada por ter passado lah no meu blog :-)

Cyn, que pena que seus pais nao vao mais em Marco (foi isso que eu entendi do post), mas pelo menos vc foi lah, passou um tempo com eles, ficou com o seu pai, como jah comentei aqui antes, com certeza deve ter sido muito importante pra ele.

Bjs.

Lucia Cintra Stevenson disse...

Ai Cyn...e' dificil, sabe? Pra mim foram quase 10 anos acompanhando a luta e o sofrimento da minha mae contra o cancer de mama. Infelizmente ela perdeu a batalha e e' algo que nunca vou entender o pq.

Mas e' verdade o que voce disse. O melhor conselho que podemos dar e' isso ai mesmo: aproveite cada segundo com aqueles que ama, diga que os ama, os encha de carinho e demostre seus sentimentos... cada momento perdido pra outras coisas "mais importantes" nunca mais e' recuperado.

Apesar de eu ter sorte de ter minha familia aqui comigo e ter estado fisicamente do lado da minha mae, ainda me arrependo de nao ter passado cada segundo que tinha ao seu lado. E isso me da um aperto enorme no coracao.

Espero e rezo pra que seu pai melhore e voce nao tenha que passar por isso. Forca ai, pois sei bem que nao e' facil. Bjs.

vivicreo disse...

cyn..disse tuuudoo q eu penso..tuudo..eh incrivel como a gent epensa igual... eu tb penso assim..ate q ponto vale a pena ficar longe de quem amamos, sei la..as vezes me sinto egoista..no meu caso tenho uma vo velhinha la.. e meu coracao me doi de saber q minha mae e vo nao vao acompanhar o crescimento da minha filha....ai como sofro com isso viu..mas eh...agora a nossa familia ta dividida...querendo ou nao ja criamos raizes fora do brasil... eh dificil ne.. mas eh...foi o q escolhemos... bommm tudo de bom do fundo do meu core pro seu papis..q ele fique bom logo logo, muita forca pra vc e pra sua familia..olha...xo te falar... fiquei curiosa..vc vai pro brasa todo ano? vc vai com a beca? e com o brendon todas as vezes???? quero ir todo ano tb...nao sei se daria pro trav ir todo ano comigo...sei la..mas levar a baby todo ano eh algo q ia querer muito..
bjo e te adoro creuza

Thelma disse...

Oi Cyn!
Realmente, a gente sempre "esquece" de dizer o quanto a gente ama certas pessoas e o quanto elas são importantes pra gente!
Eu notei que só comecei a falar "Eu te amo" pros meus pais depois que vim morar fora.
E essa vida dividida é fuego... E o pior é que a gente nunca será 100% feliz em nenhum dos dois lugares (a terrinha ou o exterior).
Bom saber que tu estais aproveitando seu pai, viu? O pensamento positivo está com vocês, viu?
Beijocas

Amara Ribeiro disse...

Engra�ado que esse � um sentimento super forte e que costumamos somente valorizar quando as pessoas que amamos partem. A� paramos para pensar no que poder�amos ter feito, em qtas coisas poder�amos ter dito...Mas independente disso, n�o importa o qto fa�amos ou falemos, sempre fica a sensa�o de que poder�amos ter feito mais ou dito mais...
Meu grande sonho sempre, desde pequena foi morar fora do Brasil, mas pela sa�de fr�gil da minha m�e e depois do meu pai acabei deixando isso um pouco de lado, mas ainda sonho em ir e sempre me pego pensando nesse aspecto de morar t�o longe...mas faz parte...
Muito lindo seu post...
Bjos

Marilena disse...

Olá Cyn,

adoro o seu blog e acho a sua filha uma boneca de tão linda!!! Faz tempo que não comento aqui (porque não tenho tempo, mas a gente nunca tem, né?). Estou me preparando pra sair do Brasil, ir morar longe da familia e dos amigos. Apesar de achar que vai valer a pena, fico sempre pensando nesta situação de estar longe e muitas vezes não poder fazer muita coisa. Escolha dificil e que de uma maneira ou de outra nos deixa sempre uma sensação de culpa e tristeza. Admiro muito a sua força e coragem. Te desejo neste momento dificílimo serenidade, muita paz e a certeza de que vc foi uma ótima filha.

Um abraço,
Marilena